Todos os posts em Sex Education

Netflix divulgou na segunda-feira, 19, o primeiro teaser da terceira temporada de Sex Education. O vídeo mostra o anúncio oficial da reabertura das matrículas no Colégio Moordale. Confira:

Moordale tem uma nova diretora e parece que muita coisa vai mudar. O colégio reabre em 17 de setembro; nos vemos lá.

Netflix divulgou na manhã desta quinta-feira, 24, a data da tão aguardada terceira temporada de Sex Education: 17 de setembro. Além de revelar a data de estreia da próxima temporada, a Netflix lançou também as primeiras imagens e a sinopse oficial.

É um novo ano, Otis está fazendo sexo casual, Eric e Adam estão juntos e Jean tem um bebê a caminho. Enquanto isso, a nova diretora Hope (interpretada por Jemima Kirke) tenta devolver Moordale a um pilar de excelência, Aimee descobre o feminismo, Jackson se apaixona e uma mensagem de voz perdida ainda paira. Prepare-se para fenômenos alienígenas, cupcakes de vulva e muito mais de Madam Groff.

Confira em nossa galeria stills de Emma Mackey como Maeve Wiley na nova temporada:


Fonte: Deadline
Tradução & Adaptação: Equipe Emma Mackey Brasil

A Academia Britânica de Artes da Televisão e Cinema revelou nesta quarta-feira os indicados ao BAFTA TV Award. Emma Mackey foi indicada na categoria de Melhor Atriz em uma Série de Comédia por seu papel como Maeve Wiley na segunda temporada de Sex Education. No total, a série recebeu seis indicações.

Essa é a primeira vez na carreira em que Emma é indicada a uma premiação. O BAFTA TV acontecerá em 6 de junho.

Melhor Atriz em uma Série de Comédia

Aimee Lou Wood – Sex Education
Daisy Haggard – Breeders
Daisy May Cooper – This Country
Emma Mackey – Sex Education
Gbemisola Ikumelo – Famalam
Mae Martin – Feel Good

Melhor Ator em uma Série de Comédia

Charlie Cooper – This Country
Guz Khan – Man Like Mobeen
Joseph Gilgun – Brassic
Ncuti Gatwa – Sex Education
Paul Ritter – Friday Night Dinner
Reece Shearsmith – Inside No.9

Figurino

Rosa Dias – Sex Education
Jacqueline Durran – Small Axe
James Keast – Belgravia
Amy Roberts – The Crown

Design de Produção

Helen Scott – Small Axe
Joel Collins – His Dark Materials
Matt Gant, Megan Bosaw – Gangs of London
Samantha Harley, Alexandra Slade – Sex Education

Escalação de Elenco – Roteirizado

Gary Davy – Small Axe
Lauren Evans – Sex Education
Shaheen Baig – The Third Day


Fonte: BAFTA

Os últimos 12 meses foram grandes para a estrela britânica em ascensão Emma Mackey.

Nessa época, no ano passado, Emma era relativamente desconhecida, com apenas alguns créditos em seu nome, mas, no espaço de algumas semanas, ela se viu a estrela de um dos maiores shows da Netflix em 2019, Sex Education.

Imediatamente, Sex Education se tornou um grande sucesso entre críticos e telespectadores, com o programa sendo o oitavo mais assistido da Netflix em 2019, à frente de programas como Orange Is The New Black e Queer Eye.

Como a estudante do ensino médio Maeve Wiley, Emma conquistou uma legião de novos fãs e, desde então, conseguiu um papel na próxima interpretação de Kenneth Branagh, Death On The Nile, onde seus colegas de elenco incluirão Annette Bening, Armie Hammer, Jennifer Saunders e a própria Mulher Maravilha, Gal Gadot.

Com uma nova temporada de Sex Education agora na Netflix, conversamos com a atriz sobre o que a tornou um sucesso gigantesco e como sua vida mudou…

O sucesso da primeira temporada de Sex Education pegou você de surpresa?

Claro! Eu não tinha idéia do que esperar, e nos tornamos – todos nós – muito, muito próximos, incluindo o elenco e a equipe. Então era uma bolha adorável fazer parte. E, de repente, ele pertence ao mundo, e não é mais sua coisinha. E uma vez lá fora, as pessoas… querem ser amigas dos personagens e querem fazer parte dessa pequena bolha quente que está em algum lugar no País de Gales. As pessoas são realmente atraídas por isso. Mas sim, foi uma surpresa adorável.

Houve um momento para você em que de repente você percebeu o impacto que a série fez?

Houve alguns, não consigo pensar em um grande momento, mas acho que é apenas o feedback positivo que tivemos. Eu realmente não vejo mensagens [on-line] nem nada, mas é muito legal receber cartas de pessoas. Eu gosto disso, é uma escola bastante antiga. Gosto quando as pessoas escrevem notas para você, acho realmente emocionante.

E então sim, toda a coisa de ser reconhecido nas ruas é estranho. Mas, você sabe, é adorável. É uma coisa nova, um novo modo de vida para se adaptar.

Quais são os tipos de coisas que as pessoas dizem para você em suas cartas, porque Maeve é uma personagem com a qual muitas pessoas se identificam?

Hmm… é mais geral sobre o programa, e eles acham que Maeve é muito legal. E que eles querem ser amigos dela. E eu me sinto muito protetora com Maeve, então, qualquer coisa que alguém disser sobre Maeve com a qual eu concordo é como ‘precisamos protegê-la a todo custo. Ela precisa viver sua vida e ser feliz’. Todos nós apenas queremos que ela seja feliz.

E sobre interpretar Maeve e da série em geral, você tem mais orgulho?

Oh tantas coisas. Geralmente, tenho muito, muito orgulho da nossa luta – iniciamos um movimento, quase, sinto que ele realmente se tornou uma força motriz. Estou orgulhosa das mensagens que a série envia e de como é quente, comovente e acessível. É ótimo que esteja na Netflix, porque chega a alcançar milhões de pessoas, que não necessariamente teriam esse tipo de chance em outra plataforma. Então isso é muito legal.

De que maneira Sex Education mudou sua vida?

Existem algumas maneiras. Profissionalmente, o programa abriu muitas portas e tive muita sorte de conhecer e trabalhar com lendas vivas desde que o programa foi lançado. Então, eu me sinto muito, muito grata por isso. E então, acho que me deu um pouco mais de confiança em mim, o que é legal. Então, eu estou mantendo isso e valorizando isso e usando-o como força motriz para tudo o que vem a seguir.

Sex Education será um programa formativo para muitos jovens. Quais foram os programas formativos para você?

Sabe, eu não assistia a dramas de adolescentes, na verdade. E então eu assisti Skins. E eu me achava foda por isso. Eu acho que assisti filmes para adolescentes quando estava na universidade, e eu meio que fui educada lá em coisas como Meninas Malvadas, As Patricinhas de Beverly Hills, Clube dos Cinco.

É estranho, eu sempre falo sobre Tracey Beaker, né? Mas Tracey Beaker foi um show tão bom. E eu me lembro muito bem, e eu pensei que era muito legal porque era tudo sobre crianças adotivas e crescendo e colocando um monte de crianças com diferentes origens, tudo em um espaço juntas e vendo como elas crescem juntas. É meio parecido com o que estamos fazendo, mas… não há tanto sexo envolvido!

O que diferencia Sex Education dos dramas juvenis, como Skins?

Algumas coisas, mas acho que geralmente é muito refrescante para as pessoas assistirem a um programa como esse, porque acho muito verdadeiro, acho que é muito aconchegante e é bastante saudável, estranhamente. Embora exista muita bobagem, é muito emocionante, e acho que as pessoas querem torcer pelos personagens, e elas se encontram, certamente, em alguns dos personagens. Eu acho que reúne pessoas assim. E é útil! Tornou-se uma ferramenta para as pessoas, o que é realmente bom. Tornou-se um iniciador de conversas saudáveis.

Fonte: Huffington Post UK | Tradução & Adaptação: Equipe Emma Mackey Brasil

Muita coisa aconteceu desde a última vez que vimos Maeve Wiley. Quando a encontramos na segunda temporada de Sex Education da Netflix, ela não está indo muito bem. “Ela realmente ficou de fora”, disse Emma Mackey, que interpreta nossa garota favorita. “Ela não está mais na escola. Ela está trabalhando em uma loja de pretzel, vestindo uma roupa estúpida. Ela sente falta de Aimee. Ela sente falta de nutrir sua mente. Ela não está no fundo do poço, mas não está em um bom lugar”.

Antes de entrar em pânico, isso não é permanente. Todos nós sabemos que nossa Maeve perceptiva, teimosa e perspicaz é destinada a grandes coisas e, ao longo da nova temporada, assistiremos sua batalha por mais um ano de drama para chegar lá. Há o reaparecimento de sua mãe afastada, a percepção relutante de que ela tem sentimentos por alguém na escola e a pressão de descobrir o que ela quer de sua vida. Somente na jornada dos personagens de Maeve, você encontrará a assinatura de Sex Education, mistura de dor, constrangimento e hilaridade. E é tão bom estar de volta.

“É por isso que acho que a série funciona”, explica Emma. “Porque você recebe todos esses elementos tolos e ridículos. É cômico e você fica gargalhando ao assistir e então algo acontece, e o tom muda completamente. Você está apenas esperando o que diabos vai acontecer a seguir, o que é ótimo. É como virar a página”.

Enquanto conversamos, uma semana antes do retorno da série, Emma diz que tinha dois desejos para a segunda temporada: passar mais tempo com Aimee (Aimee Lou Wood), que teve aquela cena monumental de masturbação na última temporada, e para mais Maeve se concentrando em sua mente. Felizmente, ela conseguiu as duas coisas. Após a calorosa resposta à brilhante história de aborto executada por Maeve no ano passado, prepare-se para outro olhar para uma narrativa difícil, desta vez experimentada por Aimee.

Além de informar ao mundo que não, a clamídia não pode ser pega da mesma maneira que um resfriado (os medos de uma epidemia ditam algumas cenas maravilhosamente engraçadas no episódio um), o impacto e a agência de Sex Education não se perde em nenhum do elenco. “Existe uma responsabilidade nesse tipo de programa, porque atinge tantas pessoas e é uma plataforma tão grande. É uma realidade muito real e muito perturbadora que muitas mulheres passam, ou a versão do que Aimee passa afeta centenas de milhares de mulheres”, diz Emma. “Será um vetor iniciar uma conversa, pelo menos começar a mover as coisas adequadamente e não apenas conversar sobre isso, mas realmente agir e colocar coisas mais concretas no lugar das mulheres que passaram por esse tipo de coisa”.

“Abordamos bastante a idéia de irmandade nesta temporada – a dinâmica feminina e os relacionamentos femininos”, explica Emma. “E há um episódio em que algumas personagens femininas estão presas juntas em uma sala, no estilo Clube dos Cinco. Eu não assisti, mas fazer foi uma das melhores experiências da minha vida, sem dúvida. Apenas estar em uma sala com todos aquelas mulheres foi incrível. Alucinante!”

“Eu acho que as pessoas já estão literalmente começando a usar a série como um guia ou como referência para conversas sobre sexo”, diz Emma. “Mães vieram até mim e agradeceram pela série. Isso as ajudou a conversar com os filhos sobre sexo, o que eu acho incrível. E, você sabe, pessoas da idade da minha mãe falando sobre prazer feminino e coisas sobre as quais nunca conversaram antes. É quase como se isso lhes desse permissão, o que é triste, mas acho que nossa geração tem como certo que é realmente fácil falar sobre todas essas coisas. E, na verdade, devemos respeitar que não é fácil para todos e a razão pela qual o programa existe, na verdade, é apenas para nos ajudar a levar a conversa adiante”.

Fonte: Refinery29 | Tradução & Adaptação: Equipe Emma Mackey Brasil




Desenvolvido por Maria Nunes & Uni Design | Todos os direitos reservados - EMBR © 2021