Emma Mackey concedeu uma entrevista para a edição de agosto da revista Empire e falou sobre os filmes Eiffel, Emily e Barbie, e também o que ela espera ver na quarta temporada de Sex Education. Confira abaixo a entrevista traduzida pela nossa equipe e a scan da revista na galeria:

O que te interessou em Eiffel?

O roteiro veio a mim ao mesmo tempo que Morte no Nilo, quando a primeira temporada de Sex Education estreou. Eu realmente não tinha feito nada antes; Eu definitivamente nunca havia feito uma obra de época ou um filme de língua francesa. Parecia um bom caminho para o cinema francês, porque é um dos filmes mais franceses que você poderia imaginar.

Você achou a falta de informação sobre Adrienne desafiadora?

Na verdade, não há nada sobre ela. Sabemos que ela e Gustave [Eiffel] deveriam se casar. Havia até guardanapos com um “E” bordado neles. Obviamente, isso nunca aconteceu e o casamento foi interrompido por causa de seus pais. Isso é verdade. É libertador de certa forma porque ela é apenas uma personagem. Todo o conceito do filme é ficção.

O que você espera que as pessoas vejam na quarta temporada de Sex Education?

Estou animada com o lado americano das coisas e se isso abrirá caminhos ou personalidades diferentes para Maeve. O povo americano é muito diferente. Eu sinto que eles criam mais oportunidades [para eles mesmos]. Será ótimo vê-la fora de Moordale [High School], como vimos o personagem de Ncuti [Gatwa] na Nigéria. Maeve nunca deixou Moordale ou seu acampamento, então isso vai ser um grande momento.

Você está interpretando Emily Brontë em uma cinebiografia. Como foi essa experiência?

Foram seis semanas muito intensas em Lake District e Yorkshire. Leeds foi o primeiro lugar que morei no Reino Unido, então voltar para lá foi como fechar um ciclo. Foi muito desafiador. Emily Brontë é uma figura monumental da literatura, então me senti muito privilegiada por poder interpretar uma personagem assim.

Você já chamou Greta Gerwig de ícone do cinema. Trabalhar com ela em Barbie fez jus a isso?

Ela é tudo que eu poderia ter sonhado. Ela é tão investida e precisa, e tão infantilmente encantada com o que está fazendo. Scorsese disse: ‘Nunca perca o amador em você’. Eu vejo Greta rindo atrás de seu monitor, e ela vai fazer referência a algo muito nicho e fará todo o sentido naquele momento. Sua mente está trabalhando o tempo todo. Eu amo estar perto de pessoas assim. E é ótimo fazer comédia, porque Emily é um drama triste e sombrio. Barbie é um filme leve e engraçado e bobo e americano e rosa.

Você disse que espera dirigir um dia. Você aprendeu alguma coisa trabalhando no filme?

Eu ia para o set nos meus dias de folga e assistia. Você precisa entender como os conjuntos funcionam e qual é o trabalho de todos; Acho que muitos diretores não entendem isso. Você também precisa ser apaixonado, disposto a colaborar e preciso no que deseja. Se vou ser diretora, quero ser a melhor. Eu quero estar pronta. Eu quero estar totalmente investida naquilo.

O tênis de mesa é aparentemente um passatempo favorito do elenco no set de Barbie. Você tem jogado junto?

Eu só joguei com Scott Evans, e nós praticamente empatamos. Logo no começo, tivemos uma festa do pijama para as Barbies, que envolvia jogar com Scott e Ncuti. Eu não jogo normalmente, porque me torno muito competitiva e irritada. Mas Scott e eu éramos os melhores.


Fonte: Empire
Tradução & Adaptação: Equipe Emma Mackey Brasil

Categorias: Entrevista
Desenvolvido por Maria Nunes & Uni Design | Todos os direitos reservados - EMBR © 2021