Durante a divulgação da segunda temporada de Sex Education no início deste ano, Emma Mackey concedeu várias entrevistas e uma delas foi para o site britânico The Telegraph. Confira:

Incomum, para uma personagem de Sex Education, a rebelde de cabelos rosados Maeve (interpretada por Emma Mackey) passa um tempo totalmente livre de sexo na divertida e recém lançada segunda temporada da série.

Enquanto seus amigos perdem as roupas e a dignidade por todo o vale de Welsh Wye (onde se passa a série) como se fossem camaleões carregadores de esteróides, Maeve nem sequer dá um beijo. Ficou solitário para Mackey?

“Foi estranho,” ela ri ao telefonema de Paris, onde Mackey – filha de um pai francês e diretor, e uma mãe inglesa voluntária de caridade – cresceu. Impecavelmente educada, calorosa e com uma ansiedade colegial, Mackey não compartilha nada sobre os obstáculos da sua personagem. “Ainda que pareça como um grande acampamento de verão no set”, ela continua, “parecia mais dissociado do que na temporada passada.”

Em Janeiro passado, vimos os jovens de 16 anos Maeve e Otis (Asa Butterfield) – que deram nome a série distribuindo conselhos sexuais aos colegas por dinheiro – emaranhados em uma pilha enfurecida de oportunidades ruins para levantar um relacionamento. Nesta temporada, a saga do “eles não vão?” continua, mas Otis tem uma nova namorada e um novo rival indomável: sua mãe e profissional terapeuta sexual Jean (uma real Gillian Anderson), que foi contratada pelo colégio Moordale para acalmar um surto de clamídia.

Enquanto isso, Maeve assume silenciosamente o enredo mais pesado e mais comovente da série – como fez na última temporada com seu aborto. Expulsa da escola por levar a culpa após seu irmão vender drogas nas dependências da escola, ela passa seu tempo cuidando da sua irmã mais nova e de sua mãe, que apesar de ter desistido dos filhos por crack quando eram crianças, está de volta para fazer as pazes. Isolada e traumatizada por pessoas constantemente a decepcionando, Maeve é como uma mola firmemente enrolada, pronta para saltar a qualquer momento. Mackey, cujo poder como atriz está em sua capacidade de controlar raiva, dor e desgosto com apenas um piscar de pálpebras ou um torcer de nariz, é fascinante de assistir.

“A mãe da Maeve é como um tornado vindo para rasgar sua vida em pedaços,” diz Mackey, que decidiu não pesquisar sobre o uso abusivo de drogas em preparação para o papel. “Achei o tema da maternidade solo a parte mais interessante. E de toda forma, pensei que seria mais importante focar em como a personagem estava reagindo do que nas temáticas intelectuais por trás disso. Depois que o trabalho foi feito, minha curiosidade despertou e só então eu fui e fiz a pesquisa. Fiz dessa maneira.”

Mackey admite ser uma “nerd secreta, como a Maeve”, e ficou particularmente emocionada com a sua personagem permitida no time de quizz da escola (spoiler: do jeito típico da Maeve, ela planeja voltar da expulsão). “Estou completamente obcecada com o University Challenge, e isso foi incrível para mim. Eu amo quizz de conhecimentos gerais e competições triviais,” ela diz, com sorriso audível. “Muitas vezes, os produtores adicionavam perguntas extras para mim durante as filmagens. Eu até consegui um direito a não-script!”

Como grande parte do elenco, Sex Education foi o primeiro trabalho da Emma Mackey na tela, aos 24 anos. Depois de mudar da França para o Reino Unido aos 17 anos, para estudar literatura inglesa e participar de teatro amador na universidade de Leeds, Mackey se estabeleceu em Londres e começou a fazer testes para atuar como atriz. Em sua primeira audição para Sex Education, Mackey teve de convencer uma sala inteira a começar uma clínica sexual ilegal na escola. “Quero dizer, caso contrário, não tem série,” diz Mackey. “Claramente eu estava indo bem porque aqui estamos.”

Mackey se tornou famosa no espaço de algumas horas – o tempo que a geração dos millennials levou para assistir a primeira temporada e encontrá-la no instagram, onde Mackey possui agora 2,4 milhões de seguidores (quando a entrevista foi realizada) e é constantemente dito que ela tem uma semelhança surpreendente com a indicada ao Oscar, a australiana Margot Robbie.

Ela percebeu o impacto da série pela primeira vez enquanto estava com seu co-estrela Ncuti Gatwa em uma loja London Lush janeiro passado, comprando sabão. Depois de perceber um enxame de novos fãs deslumbrados começando a circular pela loja, Gatwa a agarrou e eles fugiram. “Eu adoro quando as mães vêm até mim,” ela ri. “Elas fazem isso em restaurantes e dizem que Sex Education é seu prazer culposo ou que realmente as ajudaram a falar sobre sexo com seus filhos de 13 anos.”

Com o nome de Mackey agora repleto de influência internacional, ela tem três papéis no cinema: na adaptação de Kenneth Branagh para Poirot, Morte no Nilo, ao lado de Gal Gadot e Armie Hammer; no thriller indie The Winter Lake e em Eiffel, pelo qual ela diz que sua experiência em Sex Education foi particularmente útil.

“Estou muito feliz por Sex Ed ter me desabrochado, porque em Eiffel estou nua,” ela diz. Sex Education foi uma das primeiras séries a anunciar publicamente a nomeação de um “coordenador de intimidade”, Ita O’Brien, para treinar jovens atores em cenas delicadas e proteger contra qualquer comportamento pré MeToo no set. O primeiro quebra-gelo de O’Brien com o elenco foi fazê-los assistir a vídeos de animais fazendo sexo e tentar imitá-los. As estrelas podiam encontrar o animal que melhor se sentiam associado ao personagem e coreografar as cenas de sexo de acordo. “Honestamente, eu estava assistindo e pensando que diabos é esse trabalho? É absurdo,” diz Mackey. “Mas era realmente uma boa maneira de se relacionar. Foi um ótimo dia, como fazer parte de uma escola de teatro bem estranha.”

Mackey acha que essa coisa toda do O’Brien é necessária? “Sim, desmistifica e dessensacionaliza totalmente a idéia de uma cena de sexo intimidadora. E se conhecer de antemão é um verdadeiro luxo, porque as vezes você se diverte e precisa filmar uma cena intima e criar química com um ator que você nunca conheceu antes em sua vida. Felizmente, também, nossa série não se trata de relações sexuais ridiculamente apaixonadas e românticas.”

Sobre se os diretores de intimidade poderiam atravessar o canal, Mackey é surpreendentemente otimista, considerando que 100 atrizes francesas, incluindo Catherine Deneuve, assinaram uma petição que criticou o movimento MeToo como uma “onda puritana de purificação”. A carta dizia: “o estupro é um crime, mas tentar seduzir alguém, mesmo de forma persistente ou despreocupada, não é, nem ser cavalheiro, é um ataque de machão.” A ideia de um diretor de intimidade tentando dirigir uma jovem Deneuve parece, em contexto, ridícula.

“Estou intrigada com isso. Eu acho que o modo francês ainda é muito diferente e não tenho certeza se ainda está na cultura, mas acho que aos poucos as coisas estão avançando.” Mackey faz referência a Eiffel. “Eu deixei bem claro que queria tudo planejado. E então o diretor (Martin Bourloubon) entregou-o de uma maneira muito bonita. Ele pensou em tudo e conversamos sobre isso por bastante tempo e planejamos todos os movimentos. Lá eu me senti tão segura quanto em Sex Education, mesmo que não tivesse um diretor de intimidade. Talvez eu possa ajudar a levar isso para a França até certo ponto, quem sabe.”

Mackey diz que Sex Education na França (onde ela acrescenta que surpreendentemente, a série tem uma base de fãs fervorosos, apesar do humor britânico, e, previsivelmente, uma classificação de idade acima de 16 anos em comparação com a Grã-Bretanha, para maiores de 18 anos), foi tão desanimador quanto na Inglaterra (e eles não trocam bananas por baguetes). “Acabamos de ter uma lição sobre biologia, e é isso”, ela suspira. “Mas o edificante é que Sex Education existe. É um alívio para todos que essa série exista.”

Ela poderia imaginar isto em um currículo escolar? “Eu poderia imaginar certas partes de Sex Ed sendo mostradas nas escolas, absolutamente!” Ela bufa com escárnio. “Certamente faria uma referência visual muito melhor do que um manual de ciências.”

As temporadas um e dois de Sex Education estão disponíveis na Netflix.

Fonte: The Telegraph
Tradução & Adaptação: Vanessa • Equipe Emma Mackey Brasil

Post arquivado em: Entrevista
@emmackeybrasil NO TWITTER

ELLE Canada | Emma Mackey fala sobre Morte no Nilo, Sex Education e mais. emmamackey.com.br/2020/10/21/…

Ontem from Emma Mackey Brasil's Twitter via Twitter Web App

@emmackeybrasil NO Instagram
Foto Favorita
Emma Mackey Brasil emmamackey.com.br